JPG da4de8eebdafefb3903773f5c8c0b388O projecto “Eu Leio”, implementado pelo CESC, introduziu novas dinâmicas nas metodologias de ensino de oralidade, leitura, escrita, através da capacitação de professores e do uso de materiais complementares nas escolas de diferentes distritos das províncias da Zambézia e Nampula que culminaram com um melhor resultado nas crianças do 1o ciclo do ensino.

 

Segundo a responsável pelo ensino primário nos Serviços Distritais de Educação, Juventude e Tecnologias (SDEJT) de Mopeia e ponto focal do projecto “Eu Leio”, Ana Madalena Brito, o projecto trouxe, antes da sua implementação, muitas dúvidas no sector que dirige, e algumas perguntas feitas eram: “Este projecto vai mesmo funcionar? Como é possível um aluno de 1a e 2a classe saber ler, se temos alunos da 5a classe que não sabem ler? Porquê apostar em alunos da 1a e 2a classe se temos alunos na 10a classe com dificuldades de leitura?”. E, na altura, a resposta dada a essas perguntas foi que “Esse projecto não vai funcionar!”.

 

Mesmo no meio de muitas dúvidas, o projecto avançou e apostou na formação dos professores. E uma das dificuldades que os professores encontram nas classes iniciais tem que ver com a introdução das letras. “Muitos professores não sabem como introduzir letras”, afirmou Ana Madalena Brito.

 

A produção dos livrinhos foi uma das práticas introduzidas pelo projecto aos educadores. Os professores passaram a produzir livrinhos onde os textos são elaborados apenas com letras que os alunos já conhecem. Até porque, em alguns casos os próprios alunos participavam na elaboração destes.

 

Henriques Guedes, chefe de Repatriação do Ensino Geral, nos SDEJT de Mopeia, considera que o facto de os livrinhos conterem imagens, também ajuda a atrair os alunos e facilita o processo de aprendizagem.

 

As competições de leitura constituem outras práticas introduzidas para incentivar as crianças a lerem, pois elas “podem continuar a desenvolver a capacidade de leitura brincando e as competições ajudam neste aspecto” acrescentou Guedes.

 

Volvidos 5 anos, o que parecia impossível tornou-se uma realidade, “temos crianças da 1a a 2a classe que lêem! Por causa destas e outras mudanças, nas escolas onde o projecto foi implementado, o aproveitamento pedagógico melhorou bastante de 2015 para cá e hoje sentimo-nos orgulhosos. E por termos professores capacitados em oralidade e escrita, sentimo-nos diferentes dos outros”, reconhecerem os técnicos do SDEJT.

 

“Eu Leio” foi um projecto financiado pela USAID e implementado de 2014 a 2019 por um consórcio constituído pela Associação Progresso, Save the Children e Centro de Aprendizagem e Capacitação da Sociedade Civil (CESC), este último líder do consórcio e teve por objectivo garantir que crianças terminem o 1o ciclo com competências de leitura e escrita. O projecto foi implementado em 7 distritos, sendo 4 na Zambézia e 3 em Nampula.

 

Newsletter

Parceiros financiadores:

usaiddiakoniaagirsueciapaisesbaixosdanidaswiss

governopaaneueukaidirishaidcounterpart